Wed, 21 de Apr de 2021

Exames apontam que algumas pessoas não foram vacinadas pela falsa enfermeira em BH, diz PF

Nesta quarta-feira (7), Polícia Federal ouviu duas pessoas envolvidas no suposto esquema de vacinação.

07/04/2021 19h50
G1

A Polícia Federal afirmou, nesta quarta-feira (7), que exames realizados em algumas pessoas supostamente vacinadas pela cuidadora de idosos Cláudia Mônica Pinheiro Torres, em Belo Horizonte, demonstram que não houve aplicação de nenhum imunizante contra a Covid-19. O número de vítimas já pode passar de 2 mil, segundo a PF.

De cordo com o Delegado Rodrigo Morais, algumas pessoas que procuraram a mulher fizeram exames laboratoriais para detectar anticorpos para Covid-19. Os resultados, até agora, têm dado não reagente tanto para o anticorpo IGM quanto para o IGG, ou seja, não houve vacinação contra a doença. A Polícia Federal não informou a quantidade de pessoas que não tomou a vacina.

Segundo a PF, Cláudia Mônica Pinheiro Torres já trabalhou em uma clínica de vacinas, com uma carteira falsa do Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro. A corporação já pediu à clínica todas as informações sobre a mulher.

Nesta quarta-feira (7), a PF ouviu dois envolvidos no suposto esquema de vacinação. Os nomes deles não foram divulgados. Até sexta-feira (9), 60 pessoas devem prestar depoimento.

Um laudo pericial confirma que parte do material apreendido na casa de Cláudia é soro fisiológico, e não imunizante contra a Covid-19.

De acordo com as investigações, além de empresários do setor de transporte, moradores de um condomínio de luxo no bairro Gutierrez, em BH, foram supostamente vacinadas pela falsa enfermeira, e nenhuma delas confirmou ter pedido um comprovante a ela para saber qual imunizante estava, de fato, recebendo.

O fato teria ocorrido em três ocasiões no mês de março. Cláudia teria vacinado moradores de, pelo menos, três apartamentos e cobrado R$ 600 pelas duas doses da suposta vacina contra a Covid-19 (o mesmo valor que os empresários do setor de transporte teriam pago).

Nesta terça-feira (7), a corporação ouviu um desses moradores, o empresário Marcelo Martins de Araújo, dono de um haras na cidade de Florestal, na Grande BH.

Ele recebeu a primeira dose no dia 5 de março e pode ter indicado os serviços da falsa enfermeira a Rômulo Lessa, um dos controladores da empresa de ônibus Saritur. Marcelo disse, ainda, que comprou a vacina acreditando que fosse da Pfizer.

A defesa da suspeita informou que não se manifestará enquanto não tiver acesso aos depoimentos de testemunhas, demais documentos a serem juntados aos autos e aos outros procedimentos sigilosos realizados pela Polícia Federal.

A previsão da corporação é encerrar as investigações até o final deste mês.

Mais Acessadas da Semana
Mais Acessadas
TOP 10
Confira as 10 mais tocadas dessa semana
áudios
Jornal do Meio Dia - 20.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 19.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 16.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 15.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 14.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 13.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 12.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 09.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 08.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 08.04.2021
Deputado federal José Mario quer expandir batalhão rural para todo o Brasil
Jornal do Meio Dia - 07.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 06.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 05.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 01.04.2021
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 31.03.2021
Alexandre Garcia
Anterior Proximo